Calcas academia legging fitness

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Agora ser saudável é ser doente


Meninas, acredito que esteja havendo um grande paradoxo.
Por um lado estão os médicos nas mídias diversas tentando alertar toda a população sobre os malefícios de alguns alimentos como frituras, doces, dentre outros...


Do outro  estão pessoas incomodas e alguns profissionais tentando rotular mais uma vez pessoas que optam por um estilo de vida diferente da grande maioria e saudável. A moda agora é chamar quem se preocupa com a saúde/ alimentação de ORTORÉXICO. 


Vê se pode uma coisa destas e o pior é que pra isso sugerem até tratamento, claro, o caixa das clínicas agradecem. Afinal de contas, são mais pacientes precisando de ajuda e passar pela tal terapia. 


Alegam que a pessoa que lê rótulos de alimentos sempre e aquelas que deixam de comer em uma festa infantil fritura, por exemplo, porque prefere comer algo saudável em sua casa faz parte desta estatística de "doentes"


Gente, isso é o cúmulo! Tudo que alguns lutam pra defender, de uma hora pra outra surge um zé mané dizendo que isso é doença e as pessoas começam a acatar... Posso ser ortoréxica sim, mas com muito orgulho e com nada de desnutrida como afirmam abaixo, rsrsrs


Esta semana busquei meus resultados de exame de sangue, está tudo dentro do normal e ótimo, colesterol e etc, sabe por quê ?  Porque leio os rótulos e não mando qualquer lixo pra dentro do meu corpo!


Nosso corpo é a nossa casa, precisamos cuidar da melhor maneira possível se planejamos viver bem dia após dia, não acham?

Abaixo colo 2 textos.

1 sobre um apelo quanto a esta questao de buscar alimentos saudaveis para manter a saude e evitar o câncer.
O outro sobre os sintomas de um Ortoréxico. Vejam só como as informações são conflitantes e deixe sua opinião comentando ;-)

__________________________________________________________________________



Segundo especialista, mais de 90% dos tumores estão associados ao estilo de vida

   
Trabalho cansativo, lanches rápidos e fáceis de fazer, nenhum exercício físico e noites mal dormidas por conta do estresse. Identificou-se com pelo menos duas dessas citações? Cuidado: você pode correr o risco de desenvolver várias doenças, dentre elas, o câncer. Mais de 90% dos tumores estão associados à maneira como vivemos e nos alimentamos. A afirmação é do médico oncologista José Roberto Fígaro Caldeira, responsável pelos programas de prevenção e pró-reitor de Desenvolvimento e Promoção à Saúde da Fundação Amaral Carvalho.

 
Segundo ele, apenas cerca de 10% dos tumores são desenvolvidos devido a características hereditárias. O restante, é resultado do comportamento. "Um sanduíche é gostoso, mas tem uma quantidade de gordura excessiva. Todos sabem que obesidade faz mal, mas ninguém pensa em parar de se alimentar excessivamente. Além disso, a rotina estafante e alimentação desregrada podem fazer com que o indivíduo venha a desenvolver uma neoplasia", salienta dr. Caldeira.

 
As mulheres são um grupo que, devido à mudança de paradigmas no decorrer dos anos, está mais propenso a desenvolver câncer. "A mulher moderna tem um estilo de vida completamente diferente, vai pensar em ter um filho só depois de ter a carreira estabilizada, normalmente após os 30 anos. E ter o primeiro filho com essa idade já é fator de risco para o desenvolvimento de câncer de mama, por exemplo", sinaliza o médico. 

 
Estatísticas recentes apontam que o câncer está em segundo lugar no ranking de doenças que mais matam no país - só perde para doenças do coração -, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Já o Instituto Nacional do Câncer estima que, em 2009, quase meio milhão de casos novos serão registrados. Para o médico, o número é alarmante. "É muita gente. Não podemos continuar vivendo desse jeito. Esse estilo de vida cobra demais. Tudo tem um preço, e no caso da saúde, o preço a pagar pode ser muito caro", enfatiza dr. Caldeira. 

 
A solução, para o especialista, é a prevenção. Desta forma, é possível detectar a doença na fase inicial e, assim, aumentar as chances de cura do paciente. Confira o quadro e saiba como se prevenir do câncer.


PREVINA-SE!

 
- Pratique atividades físicas pelo menos três vezes por semana. Uma caminhada de meia hora pode, além de ajudar na prevenção de tumores, melhorar o sistema cardiorrespiratório, ósteo-muscular e auxiliar em problemas de ordem psíquica, como a depressão.
 
- Evite a ingestão de gordura de origem animal, consuma carne vermelha sem gordura. Esqueça as bebidas alcoólicas, principalmente os destilados. Quanto maior a dose de bebida alcoólica, maior o risco.
 
- Use e abuse de frutas, legumes e verduras. Determinados tipos de frutas podem ajudar ainda mais na prevenção do câncer. A maçã tem efeito antitumoral. Brócolis e cereais protegem contra câncer de boca, estômago e mama.
 
- Não abuse de hormônios. Quando indicado, use a menor dose, no menor período possível.
 
- Para as mulheres, façam regularmente os exames de Papanicolaou depois da primeira relação e mamografia após os 40 anos. Opte pelo ultrasom das mamas, se necessário. Detectar alterações celulares precocemente pode evitar o desenvolvimento da doença.
 
- Para os homens a partir dos 40 anos, além do PSA, faça o exame de toque retal.
 
Fonte: José Roberto Fígaro Caldeira, médico oncologista, responsável pelos programas de prevenção e pró-reitor de Desenvolvimento e Promoção à Saúde da Fundação Amaral Carvalho

 _____________________________________________________________________________________



ORTOREXIA, A OBSESSÃO POR UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 

A ortorexia é um novo transtorno alimentar que ainda não tem um diagnóstico oficial, mas surge quando a pessoa se torna obsessiva em relação aos padrões daquilo que come. As pessoas que têm esta doença têm demonstrado desordens de alimentação ligadas a uma obsessão compulsiva por só comer alimentos saudáveis. Ao contrário da anorexia ou bulimia, a pessoa come, mas fica tão obcecada com a alimentação saudável que chega a ter desnutrição. O transtorno foi descrito pela primeira vez pelo médico Steven Bratman, em 1997, e é frequentemente associado a dietas de vegetarianas ou de alimentos crus.

Segundo Mauro Scharf, endocrinologista do Lavoisier Medicina Diagnóstica/DASA, os pacientes ortoréxicos consomem apenas alimentos saudáveis e analisam compulsivamente o conteúdo nutricional de tudo que ingerem. Calorias, vitaminas e nutrientes tornam-se o ponto focal da comida e qualquer alimento considerado não saudável não é consumido. "Essas pessoas levam a obsessão com o conteúdo dos seus alimentos ao extremo, e não se permitem, em circunstância alguma, um desvio do seu programa de tipos de alimentos autorizados", reforça o médico.

Scharf explica que os ortoréxicos podem ficar seriamente afetados e a comunicação em casa também pode sofrer com isso. A pessoa pode começar a se isolar e se tornar distante à medida que se vai fixando cada vez mais nas suas regras dietéticas. Para alguns, a capacidade de desempenhar trabalhos ou de estudar pode começar a declinar. "A preocupação compulsiva chega a um ponto que, por exemplo, pensar em quantas vezes se deve mastigar, acaba deixando pouco espaço para outros pensamentos, fazendo com que a concentração e a motivação acabem por ficar em segundo plano", explica.

Um exemplo dessa tendência é a comprovação de que, nos Estados Unidos, as buscas no Google pela palavra "bacon" têm batido recordes nos últimos anos e diversos livros foram escritos no país sobre o impacto do bacon na obesidade. "Hoje existe uma massificação da divulgação sobre os benefícios da alimentação natural e dos malefícios da obesidade. Estas tendências acabam gerando os transtornos alimentares que estamos detectando nas clínicas e postos de saúde", afirma Scharf.

Como muitos transtornos alimentares, a ajuda de um profissional de saúde é importante. Embora a doença não seja tão conhecida como outros tipos de transtorno alimentar, pode ter o potencial de ser igualmente séria para a saúde, assim como qualquer outro transtorno alimentar.



Sinais de Ortorexia


- Examinar cada detalhe nutricional de cada alimento;
- Só se permitir alimentos saudáveis;
- Ter dificuldades em comer uma refeição preparada por outra pessoa;
- Observar e comentar a maneira como outras pessoas preparam a comida;
- Analisar diariamente o conteúdo nutricional do que comeu, esquecendo o prazer em comer;
- Perder muito peso sem seguir conscientemente uma dieta;
- Isolar-se socialmente por causa da dieta saudável.



6 comentários:

Francielly disse...

Meu deus, as vezes eu penso que tem especialista que não tem mais o que fazer ... inventar doença pra quem não tem. E pior, criar um pensamento comum que se preocupar com a alimentação é paranóia. Por fim, quem se preocupa com alimentação, não come besteiras e não bebe ou fuma vai sofrer certo preconceito ... isso acaba criando uma rede de asneiras que afetam quem se cuida ...

ABSURDO!

Cele disse...

Quem inventou essa ortorexia é um idiota. Se a pessoa se preocupa em comer alimentos saudáveis, como ela pode sofrer de desnutrição?!
Sabe qual o problema? gente saudável não dá lucro aos médicos e a indústria farmacêutica.

Erika Borges disse...

Calma, Trika!! Pelo texto não é apenas por ler rótulos ou fazer escolhas saudáveis...mas é quando alguém passa a ficar "neurótico", passando a considerar até coisas saudáveis como "não saudáveis", com perda de peso por tamanha restrição.

Há poucos estudos, mas pelo que encontrei, cientificamente, a Ortorexia é "Quadro no qual o indivíduo se preocupa excessivamente com a pureza dos alimentos consumidos" ou "adoção de dietas extremamente naturalistas".

Ler rótulos,selecionar o que é melhor para sua saúde é algo bom, sim. Afinal, só você sabe o quanto batalhou para chegar ao corpo que tem hoje, certo? E é claro, que dar aquela fugidinha de vez em quando também não é nada demais...

Só fiquem atentas se essa preocupação com a dieta estiver passando dos limites e sendo perceptível por mudanças corporais, nesses casos é sempre bom consultar um médico ou nutricionista para ajudar a descobrir o problema..

PS: Se bem que esse texto que você achou foi radical demais até eu fiquei com medo!rs

cibelli disse...

Acho q ser ortoréxico não é somente a preocupação em comer apenas alimentos saudáveis, mas sim, a compulsão de somente ingerir alimentos saudáveis. Pelo q li no texto a pessoa fica obcecada por isso e não se permite NUNCA nenhum deslize, parece até ter aversão à alimentos considerados não saudáveis. Acho q toda atitude extrema pode ser um sintoma de doença sim. Se preocupar com a saúde, em ter uma alimentação saudável e balanceada é uma coisa (e super aprovada pelos médicos), mas ser extremamente obcecada por isso não acho legal não.

carol disse...

Começo o comentário com o próprio post da Trika..."Tudo que é demais faz mal, água em excesso faz mal, doces e com o treino não poderia ser diferente".
Essa doença se trata de ter um cuidado EXAGERADO, NEURÓTICO, COMPULSIVO, OBSESSIVO por só comer alimentos saudáveis...!
Então gente é bem verdade que tudo que é EXAGERADO faz mal!
Putz...gente cuidado com os comentários né, respeito aos especialistas...!

Luciana disse...

Quando a gente estuda um pouco a história da humanidade, vê que toda mudança de comportamento que causou uma revolução (e com isso uma evolução) não foi aceita por todo mundo tão facilmente. Quando as mulheres começaram a trabalhar, teve um monte de gente culta que foi contra, quando os negros lutaram para acabar com a segregação idem. Agora que estamos tentando conscientizar as pessoas de que precisam dar importância à escolha dos alimentos está acontecendo o mesmo. Temos que persistir!
Mas é claro, que como vcs já sabem, td que é exagerado é ruim, doente mesmo é o caso extremo. Mas confesso que já fui chamada de ortoréxica e olha q faço dia do lixo e procuro fazer das refeições um momento de prazer tb, não de obsessão.
Olha aqui um link sobre erros históricos cometidos por gente inteligente: http://www.slideshare.net/ncosta24/erros-historicos